Como maximizar os insights de MVP para aplicações mobile?

Criar um produto ou serviço, ou trabalhar para aprimorar algo já existente, não é tarefa fácil. Talvez o maior desafio para ambos os casos seja conseguir encontrar o ponto exato em que o cliente terá suas necessidades atingidas. Isso significa que produtos e serviços devem ser desenvolvidos para o que seu público-alvo quer (e não para o que você acha que ele quer).


Nesse contexto, o MVP - Minimum Viable Product (Produto Mínimo Viável) – foi criado para que empresas consigam desenvolver seus produtos e serviços visando agregar valor aos clientes. Isso é possível pois o processo de MVP trabalha com hipóteses, analisado os resultados e realizando as alterações necessárias até que o produto/serviço atenda ao seu público.


Neste artigo explico melhor, mas para esclarecer, por meio do ciclo Construir-Medir-Aprender organizações trabalham para desenvolver uma versão mínima do produto, com as funcionalidades necessárias para que ele cumpra a função para a qual foi planejado e que, ao mesmo tempo, traz valor agregado aos clientes.


Falando, então, sobre desenvolvimento de produtos e serviços, os tipos de projeto que trabalho são: de aplicação web e de aplicação mobile. Como para que o MVP faça sentido é necessário testar hipóteses, você vai concordar que precisamos trabalhar com ferramentas que apoiem a visualização de dados (Data Visualization - DataViz ).


Para projetos web, o Google Analytics, alinhado a uma ferramenta para DataViz, cumpre esse papel. Já para projetos web podemos falar em duas soluções: Flurry e Crashlytics.


Sobre o Flurry e o Crashlytics


A Flurry é uma empresa que desenvolve e comercializa uma plataforma focada na análise de interações entre consumidor e aplicativos móveis. Assim como o Google Analytics, o Flurry Analytics possibilita que os usuários, a partir da observação de dados, analisem o comportamento do consumidor e como eles interagem com o app da sua empresa.


Desse modo, é possível descobrir quais são as tendências de uso e como é o caminho do usuário ao acessar seu aplicativo. Perceba que assim como o Google Analytics, o Flurry apresenta informações quantitativas.


O Flurry Analytics rastreia as sessões de aplicativos nas plataformas iOS, Android, HTML5 e JavaME.


Crashlytics é um kit de desenvolvimento de software para relatórios de falhas, registro de aplicativos, revisão online e análise estatística de logs de aplicativos. Ele suporta iOS, Android e Unity.


Assim como o Flurry, o Crashlytics permite a obtenção de insights sobre quem são seus usuários e o que eles fazem no aplicativo. Desse modo, fica mais fácil verificar se alguma funcionalidade precisa ser melhorada e o que está chamando atenção. O objetivo, claro, é sempre aumentar o engajamento do seu cliente e retê-lo o máximo de tempo possível.


Não vou me alongar em funcionalidades e em comparar os dois. O que quero é mostrar a você que para um MVP de projeto mobile é preciso ir além. Tanto Flurry Analytics quanto Crashlytics cumprem seus papéis de rastreamento de acesso e geração de dado, mas temos que maximizar a análise desses dados.


Flurry e o Crashlytics: como melhorar insights?


Se errar faz parte do processo de MVP, para que o erro ocorra é preciso estabelecer métricas e realizar os acompanhamentos necessários. A partir dos resultados analisados a empresa parte para a ação. Em outras palavras, realiza as mudanças necessárias a fim de atender melhor ao seu cliente e agregar valor.


Contudo, aplicativos de análise de dados são como Google Analytics: por melhores que sejam, precisam de um algo a mais para que os dados gerados sejam maximizados.


Aí é que entram as ferramentas dedicadas à Visualização de Dados e que se integram com os aplicativos. Assim, por meio dessas ferramentas é possível criar métricas que aprimorarão os insights obtidos pela análise do Flurry e o Crashlytics, ou seja, com uma visão diferente e que permitirá sua empresa maximizar os resultados.


Concluindo


Se para o MVP errar tentando acertar significa entrar na busca de agregar valor ao cliente, isso quer dizer que no ciclo Construir-Medir-Aprender a etapa de medição merece muita atenção.


Pela mensuração dos resultados é que os desenvolvedores do produto/serviço conseguirão entender o que está errado, o que não funciona e o que pode ser melhorado. Fazendo isso, empresas conseguem aproximar-se cada vez mais de ter o produto/serviço certo produto/serviço certo com o objetivo de atrair os clientes certos.


Gostou do artigo? Compartilhe com seus contatos, faça comentários.


Se tiver interesse em conhecer nossos workshops de MVP Inception, vá até nossa página de aprendizado.


Até o próximo artigo.


Marco Antonio Silva


#eusougaragecriativa

#borainspiraretransformar